Já dizia aquele importante provérbio chinês: me diga o quanto conheces seu consumidor que te direi o quão efetivo serás.

Tá, é mentira. Inventei agora esse provérbio. Porém, ele não deixa de estar conectado com a realidade. O quão efetivo você será em uma abordagem está diretamente ligado com o quanto você segmentou sua ação. 

E isso não vale apenas para uma determinada campanha de e-mails. Desde a evolução do seu atendimento até novas formas de repensar o produto. Tudo está conectado com o quanto você consegue ler e criar nichos dentro da sua própria base de clientes.

Por isso é tão importante começar a dar o start em segmentação. E, para você que tem pressa, criamos um guia. Olha só:

O start começa em três etapas:

  • Conhecimento
  • Organização
  • Personalização

Conhecimento: nesta etapa você vai buscar plataformas que te ajudem a conhecer seu cliente. Elas podem ser:

  • Analytics (Tipo o do Facebook ou do Google)
  • Data Platforms (Plataformas de inteligência de dados)
  • CRM (Plataformas de gestão de clientes)

Aqui é importante ressaltar que este é o começo do que chamamos de Data Driven Marketing, que é suas estratégias sejam orientadas através de dados. As plataformas citadas anteriormente são formas captar e centralizar informações.

Organização: agora organize seus dados nessas plataformas e pense: o que faz sentido se apegar?

  • Geolocalização do meu cliente?
  • Últimas compras?
  • Data de aniversário?
  • Todas alternativas anteriores?

As variáveis que você vai escolher para criar uma segmentação vão depender muito da lógica do seu negócio. 

Se seu negócio é B2C (business-to-consumer), você pode se apegar tanto aos dados demográficos quanto os de comportamento. Seja analisando os interesses do seu público ou a forma como ele interage com seu produto/serviço.

Em casos B2B (business-to-business) você deve focar mais no meio empresarial, por isso as variáveis podem evoluir para dados mais específicos dessas empresas. Como segmento de mercado e tipos de produto.

Aqui é a hora de procurar inspirações para suas futuras campanhas/ações e escolher qual segmentação fazer. Não se prende a uma, use a criatividade para criar segmentações únicas que podem gerar resultado.

Personalização: e chegou o momento de se relacionar! Escolha qual ferramenta você vai usar. 

A mais comum são os CRMs. A maioria tem opções bem específicas de filtros para suas segmentações. Um bom exemplo é a própria Iris, a nossa plataforma evoluiu as segmentação num ponto que conseguimos captar seus dados e te dar mais opções de filtros, o resultado disso são o que chamamos de “ultra segmentações”.

Beleza, tenho uma plataforma que segmenta. E agora? 

Agora você vai pensar: o que eu posso fazer com essa segmentação? Analise o que faz sentido para o seu negócio.

Vamos supor que você tenha um aplicativo. Através de uma segmentação, você pode criar testes A/B para entender o comportamento de seus consumidores.

  • “Para a segmentação A vou deixar o botão de “menu” centralizado no meio da tela do celular e ver se isso influencia mais”
  • “Para a segmentação B vou ressaltar um produto específico no começo do app e ver se isso amplia as vendas daquele produto”

Através do resultado com essas segmentações, você vai ter ainda mais noção do que realmente faz sentido para o seu negócio.

Além disso, temos o fator mais comum em segmentações que é justamente a parte de relacionamento. 

Pra que enviar um único e-mail para 1.500 pessoas, se você pode segmentar esse pessoal em nichos e criar um e-mail específico para cada um?

Aqui a personalização ganha um nível ainda maior. Ao segmentar seu público você cria a possibilidade de enviar a mensagem certa para o público certo. 

Os CRMs nesse sentido ganham ainda mais espaço, porque possuem as ferramentas necessárias para você se relacionar (sms, e-mail, landing pages, push notifications).

E para encerrar, fique com algumas dicas infalíveis para evoluir nessa prática:

  • Seja específico. Busque conhecer profundamente os hábitos, gostos, atividades e a frequência com que seus clientes compram. Toda informação a mais é bem-vinda!
  • Lembre-se que existem várias fontes de dados. Não é porque você tem um e-commerce que você tem que focar nas informações dele. Como citamos no começo do texto, canais como analytics das redes sociais também podem influencer muito!
  • Brinque de personas. Seu negócio deve ter feito suas personas já, mas quem sabe você cria novas só que com base nas segmentações? O resultado pode vir a ser bem interessante.
  • Use a Iris. Ou pelo menos conheça a nossa plataforma. Nós ajudamos sua empresa a centralizar todos seus dados e a personalizar seu relacionamento. Temos resultados bem legais já.

Para conhecer mais sobre a gente, clique aqui.